//
post
Geral

Boniteza e alegria

Boniteza e alegria – Em um trecho de sua obra Pedagogia da Autonomia, o educador Paulo Freire defende que a experiência pedagógica deve despertar nos envolvidos o gosto da alegria, sem a qual a prática educativa, para ele, perderia o sentido. “Ensinar e aprender”, dizia o mestre, “não podem dar-se fora da procura, fora da boniteza e da alegria”. Uma escola de ensino básico encontrou um jeito especial de envolver seus alunos com a boniteza e a alegria do aprendizado. Os estudantes leem poesias ao contrário, os versos de baixo para cima, e se deparam com outro sentido no conteúdo. Os aprendizados por trás da prática, que a escola chama de poema reverso, servem para toda a vida: ensinam humor e bom espírito, a receber uma informação de forma ativa, agindo sobre ela, e a ter pensamento flexível, um motor essencial da criatividade.

A escola em questão, a St Paul’s Convent School, fica em Hong-Kong, território sob domínio da China e, no passado, ex-colônia britânica. Ela foi recentemente visitada por uma consultora em educação, Helena Renfrew-Knight, parceira da organização sem fins lucrativos Futurelab, com sede em Londres (Inglaterra), que apoia educadores pesquisando práticas e ferramentas para melhorar o ensino e a aprendizagem nas escolas.

A motivação da consultora, uma especialista em inovação escolar e em utilização de tecnologias na sala de aula, era saber por que a escola de Hong-Kong mantém uma liderança de 10 anos em avaliações locais, o que contribui para colocar o território no quarto melhor desempenho do PISA — o programa da OCDE (Organização para o Desenvolvimento e Cooperação Econômica) que monitora resultados de sistemas educativos de um conjunto de países, avaliando a cada três anos os estudantes em leitura, matemática e ciências. Os resultados dessas avaliações são um dos critérios utilizados por organizações internacionais para caracterizar o desenvolvimento de um país.

Visão positiva

A prática de ler poemas ao contrário é aplicada na escola Saint Paul a jovens de ensino médio. O exemplo abaixo, criado pelos alunos, opõe uma leitura com ponto de vista negativo e o seu oposto positivo, o que se encaixa em uma cultura de valores disseminados pela instituição. Segundo a consultora Helena, a Saint Paul quer superar uma aprendizagem tradicional, passiva, colocando no lugar algo mais ativo e apropriado ao mundo atual e que exige nova postura dos estudantes por meio de novos estímulos a suas habilidades.

Voltando ao poema, primeiro os versos foram apresentados assim:

Estou vivendo uma vida miserável

E é tolice acreditar que

A vida é um fluxo interminável de esperança e chances.

Depois, de baixo para cima, o resultado leva à outra interpretação:

A vida é um fluxo interminável de esperança e chances.

E é tolice acreditar que

Estou vivendo uma vida miserável

Há um poema atribuído a Clarice Lispector que se presta ao exercício. Ao ser lido na ordem inversa, oferece, como no exemplo da escola, interpretação distinta.

Não te amo mais
Estarei mentindo dizendo que
Ainda te quero como sempre quis
Tenho certeza que
Nada foi em vão
Sinto dentro de mim que
Você não significa nada
Não poderia dizer mais que
Alimento um grande amor
Sinto cada vez mais que
Já te esqueci!
E jamais usarei a frase
Eu te amo!
Sinto, mas tenho que dizer a verdade
É tarde demais…

Educação integral

A Saint Paul é dirigida há 19 anos por Margaret Wong, uma gestora “altamente carismática” nas palavras de Helena Renfrew-Knight, sempre disposta a abraçar novos métodos e tecnologias para a promoção de uma educação integral para a vida. Para isso, o currículo introduzido na instituição na última década enfatiza um estilo de ensino descrito como “aprender a aprender”, que reforça a prática da reflexão, entre outros pontos, e valores como alegria, simplicidade, trabalho duro e excelência.

Nos dois primeiros anos do ensino médio, todos os alunos da escola recebem uma formação especial em “aprender a aprender”, conta a consultora em seu registro. O aprendizado é transmitido tanto por professores quanto por alunos mais velhos e o foco é o reforço de hábitos essenciais ao aprendizado e ao desenvolvimento cognitivo, tais como persistência, controle da impulsividade, pensar de forma flexível e interdependente, questionar e colocar problemas, estar aberto para aprender continuamente.

Tecnologias para ir além

A Saint Paul tem um portal de aprendizagem que os alunos acessam para fazer atividades complementares e também debater tanto conteúdos disciplinares quanto temas relacionados ao papel da escola e dos pais em suas responsabilidades com a educação. O recurso permite aprendizagens além do período escolar, mas o valor essencial que o justifica é uma espécie de lema que a escola procura transmitir aos estudantes: o de que tudo é possível e, por isso, eles devem ter aspirações elevadas. Alguns jovens, constatou a consultora, estavam mesmo “alcançando as estrelas” com a construção de uma aeronave de dois lugares, e aprendendo teorias de aerodinâmica. Outros “voavam” por meio da música. Uma aluna ofereceu à visitante um prelúdio de Mendelssohn ao piano, um dos instrumentos que tocava, além de violino, violoncelo e harpa.

Leia a reportagem completa no Portal Onda Jovem

Texto: Lélia Chacon

Sobre projetolvh

Lá Vem História

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s